Pandemia piorou autoestima das mulheres, aponta pesquisa do Kantar Ibope Media

Elas sofrem pressão das tarefas domésticas, cuidados com filhos e idosos e são mais afetadas pelo desemprego

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Além de todo o impacto na sociedade, a pandemia piorou a autoestima das mulheres no Brasil. Apenas 21% delas sentem que seu nível de autoestima é superior à média das outras pessoas – esse índice é de 38% para os homens.

É o que mostra estudo da Kantar Ibope Media. Conforme explicou Adriana Favaro, Diretora de Desenvolvimento de Negócios, essa percepção das mulheres vem “associada à pressão de assumir tarefas domésticas, cuidado dos filhos, dos idosos, além de serem as mais prejudicadas em termos de emprego no mercado de trabalho”.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

De acordo com a diretora do Kantar Ibope Media, cabe às marcas agora verem como podem ajudar nesse aspecto: “Nós estamos vendo muitas marcas responderem de forma ágil e também veículos empenhados”. Ela citou o próprio BBB como um momento para os veículos de comunicação poderem entregar para as marcas ambientes importantes para as causas.

O programa da TV Globo foi palco de muitas ações de marcas em prol de causas. A Avon, por exemplo, fez algumas, como as do dia Internacional da Mulher, comemorado em 8 de março.

Sobre a baixa autoestima das mulheres, 14% das entrevistadas dizem que sua autoestima está abaixo da média das outras pessoas – nos homens, esse índice é de 12%.

Gráficos de estudo do Kantar Ibope Media sobre autoestima

Comunicação das marcas

O estudo foi apresentado pela Kantar Ibope Media na semana passada em seminário na web voltado ao mercado publicitário. Na ocasião, foram mostrados também dados sobre como a pandemia está trazendo novas percepções dos consumidores diante da publicidade e das marcas.

Há também uma nova percepção dos consumidores sobre a comunicação e publicidade das marcas, com os clientes atualmente querendo ver mais empenho social e envolvimento delas com causas. Apenas 28% dos clientes gostariam de ver propagandas normais, como antes da pandemia.

Para a diretora Adriana, o consumidor espera que as marcas tomem uma posição pública. “Ficou evidente a importância das marcas se envolverem em causas sociais”, disse ela, lembrando-se da importância de as empresas promoverem diversidade e inclusão. “A maioria dos consumidores prefere empresas que combatam desigualdade”.

Mercado publicitário

Os dados de mercado mostram que os investimentos publicitários movimentaram mais de R$ 11,2 bilhões no primeiro trimestre de 2021. Este valor é 1,2% menor do que no mesmo período do ano passado e a pequena retração – que pode até ser interpretada como sinal de estabilidade – é explicada pelo impacto em setores mais afetados pelas medidas de contenção ao Covid-19, como o Turismo (-43%), Bebidas (-27%) e Automotivo (-27%).

De outro lado, setores da economia mais ligados às vidas dentro de casa intensificaram a comunicação entre janeiro e março, como Imobiliário (+53%), Telecomunicações (43%) e Eletros & Informática (+36%).

VoD se promove

Ainda, negócios digitais (comércio eletrônico, serviços de delivery, vídeos sob demanda/VoD e mídias sociais) apresentaram crescimento significativo na sua própria publicidade nos últimos meses.

O VoD, ou vídeo sob demanda (inclui as plataformas de streaming como Netflix, Prime Video, Globoplay, Disney+) aumentou os investimentos publicitários em 151% entre janeiro e março de 2021 em relação ao mesmo período do ano anterior. Além disso, passou a apostar também em inserções fora da Internet: 53% a mais.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio