Fãs sofrem com emoções negativas do BBB 21

Levantamento entre público mostra que grande parte sentiu raiva, tristeza e preconceito nas últimas duas semanas

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Uma pesquisa independente realizada pela empresa de monitoramento de consumo e pesquisa de mercado Hibou mostra que o BBB 21 está despertando emoções negativas e os chamados ‘gatilhos‘ – quando se remete a experiências traumáticas do passado.

De acordo com o levantamento, feito com mais de 2 mil pessoas, 87% dos respondentes acreditam que o que acontece dentro da casa do BBB 21 é ‘cancelamento’. Dos 52% dos brasileiros que estão acompanhando o reality, 86% já sentiram emoções negativas fortes em duas semanas de programa.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em ordem de expressividade, são mais comuns os sentimentos de raiva, tristeza, preconceito, humilhação, indignação, nojo, repúdio e falta de empatia. Uma pequena parcela dos entrevistados, 6,7% deles, disse que pensa até em parar de assistir ao programa, sendo 50% por acharem o conteúdo pesado.

A pesquisa mediu a presença da cultura do cancelamento no dia a dia das pessoas. O significado da expressão ‘cancelamento’ foi reconhecida por 61,8% dos respondentes e as opiniões variam. Após a explicação do termo para todos os entrevistados, 44% entendem que cancelar não é algo novo, mas o que é novo é o repúdio ao ato por meio das redes sociais.

De acordo com o estudo da Hibou, 55,1% das pessoas pesquisadas acreditam que, antes de se promover o cancelamento de alguém, é preciso entender os dois lados da história e, para 54,7%, isso pode se tornar uma arma na mão de pessoas mal intencionadas.

Cancelamento e bullying

A pesquisa segue: 74,5% entendem que o ato de cancelar é o mesmo que bullying. Dentre os temas que justificariam essas atitudes 88,6% acreditam que maus tratos a animais merecem cancelamento; 86,8% que maus tratos a crianças; 86,1% estupro; 82,7%, maus tratos a idosos; 80,6%, violência doméstica; 78,1% assédio sexual; 75,5% racismo; 68,6% desvio de dinheiro público; 65,7% discriminação sexual é cancelável, entre outros.

Quando perguntados sobre por que assistem ao BBB e o tipo de entretenimento que o programa proporciona, as respostas são: para 51,4% , o que chama mais atenção é a possibilidade de bisbilhotar o comportamento das pessoas; 49,4% gostam dos conflitos por opiniões e atitudes distintas e 39,8% adoram as provas de líder e anjo.

Ainda, uma parcela do público, de 25,3%, relaxa assistindo ao BBB, enquanto 22,5% gostam mesmo é das festas e 19,9% assistem para ter assunto com os amigos. Para 19,6%, o objetivo é acompanhar a rotina do dia a dia na casa e 8,5% ficam de olho nos casais que se formam.

Sócia da Hibou e coordenadora da pesquisa, Ligia Mello afirma: “Apesar de ser um conteúdo de grande entretenimento, com as últimas polêmicas da casa, consideradas as mais pesadas e complexas de todas as edições, 6,7% dos entrevistados estão pensando em parar de assistir ao programa, principalmente, em função da ausência de um clima feliz (51,3%), conteúdo pesado (50,6%), muita discussão boba e pouca diversão (43,8%) e cansaço do assunto de cancelamento (36,9%)”.

A metodologia do estudo é a seguinte: foram 2.467 pessoas que responderam à pesquisa de forma digital, entre 5 e 6 de fevereiro de 2020, em território nacional, garantindo 95% de significância e 2% de margem de erro nos dados revelados. A faixa etária dos entrevistados é acima de 20 anos, englobando o público ABCD, sendo 56% casados e 58% mulheres.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio