Mais do que você gosta.
Assine o Star+
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Papo reto

“Eu sofri muito”, diz Glória Maria sobre cartas racistas quando apresentava o Fantástico

Jornalista fala em conversa de mais de duas horas com Mano Brown sobre sua vida e trajetória na Globo

Publicado em 09/12/2021
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

No último episódio do ano do “Mano a Mano”, podcast de Mano Brown no Spotify, Glória Maria abriu o jogo numa conversa de duas horas com o rapper.

A jornalista da Globo, apresentadora do Globo Repórter, contou detalhes de sua vida, família e carreira, lembrando fatos marcantes de sua trajetória de sucesso.

Continua depois da publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Eu sofri muito”, diz ela sobre o período em que atuou à frente do Fantástico (1998-2008), apresentando o programa ao lado de Pedro Bial.

Gloria conta que nesse período recebia inúmeras cartas de telespectadores reclamado de sua presença na atração dominical, com muitos ataques racistas.

As correspondências questionavam, de acordo com Glória, como uma negra como ela podia estar à frente do programa.

Glória Maria durante entrevista a Mano Brown no podcast do Spotify. Foto: JefDelgado/Divulgação

Curiosidades

A conversa é cheia de curiosidades sobre sua vida e trabalho.

Ao longo da entrevista, a jornalista enumera acontecimentos pitorescos em mais de 40 anos na mesma emissora.

Na Globo, ela foi a primeira repórter negra a aparecer no vídeo — antes, todos os repórteres apenas seguravam o microfone, sem aparecer na tela.

Eu sempre fui muito respeitada como ser humano na Globo”, ressalta, lembrando, no entanto que a emissora nunca lhe fez favor nenhum, apenas investiu no seu talento.

Ela (a Globo) não me deve nada e eu não devo nada a ela”, diz.

Num dos melhores momentos do bate-papo, Glória Maria revelou que deu uma de “malandra” ao gravar entrevista com Madonna para o Fantástico.

Como as assessoras da cantora só tinham lhe reservado quatro minutos para toda a conversa, tempo insuficiente, a jornalista teve de virar.

Ela precisava fazer apresentação da entrevista, a passagem (quando a repórter grava um trecho para ser inserido na edição) e ainda elaborar as perguntas e esperar as repostas.

Sincera e ardilosa, Glória Maria confessa que não falava tão bem o inglês.

E ainda argumentou: “É difícil, só eu negra no programa. Me ajuda”. Isso convenceu a cantora estadunidense a ponto de lhe conceder todo o tempo que ela precisasse.

Ao final, mais esperta ainda, Glória Maria deu o presente que tinha levado para Madonna: um colar com uma pedra azul, igual ao que ela mesma usava e que tinha chamado a atenção da cantora.

Tão logo abriu a caixa do presente, Madonna colocou imediatamente o colar no pescoço e seguiu dando entrevistas para outros jornalistas.

Michael Jackson

A apresentadora do Globo Repórter também destacou como um momento de emoção a vez em que entrevistou Michael Jackson, no alto do Morro Dona Marta, no Rio de Janeiro.

Glória Maria falou ao sempre atencioso Mano Brown a respeito de sua infância pobre, sobre o tumor cerebral que descobriu há dois anos e contou do tratamento por que passou.

Sua ida à Nigéria, a cobertura jornalística da Guerra das Malvinas e o medo de saltar do mais alto bungee jump do mundo são alguns dos demais assuntos abordados.  

A jornalista também falou do relacionamento com as filhas.

Ela detalhou, por exemplo, a ida de férias com as meninas para a África do Sul.

Conforme Glória Maria contou, naquele país elas puderam desfrutar de passeios a lugares luxuosos frequentados também por pessoas negras – algo que as meninas não costumam presenciar numa cidade como o Rio de Janeiro.

O programa pode ser ouvido a seguir:

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Deixe o seu comentário

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Posting....