Conar pede alterações em campanhas com Porta dos Fundos, Juliana Paes e Luccas Neto

Nos três casos julgados em junho, peças não tinham identificação de ser publicidade

Publicado em 2/7/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Ao longo do mês de junho, o Conar Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária, julgou campanhas nas plataformas digitais estreladas por personalidades como Luccas Neto, Juliana Paes e Porta dos Fundos. As campanhas exibidas foram alvo de reclamações na entidade.

Em todos os casos, a reclamação foi por conta da falta de identificação de que as ações se caracterizavam como publicidade, como é obrigatório pelo código que regulamenta a atividade, que é seguido pelos participantes do mercado (agências, anunciantes e veículos/plataformas de comunicação). Nas três campanhas, foram pedidas e alterações nas campanhas. Os resultados foram acatados.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

No caso de Juliana Paes, a peça promocional foi para a marca de calçados Dakota, ainda na linha verão:  “Dakota Calçados e Juliana Paes – O verão vem cheio de cor e alto astral!” A reclamação era de que a postagem não deixou claro se tratar de uma peça de publicidade e o resultado do julgamento foi para que a comunicação fosse alterada.

Também um vídeo do Porta dos Fundos para a Amazon Prime Video foi alvo de reclamação, por não ter deixado claro que se tratava de mensagem publicitária. A campanha “Amazon Prime Video e Porta dos Fundos – Saudosismo”, de acordo com o julgamento no Conar, não considerou que a peça de publicidade estaria claramente identificada.

Um terceiro caso julgado foi sobre a campanha de Páscoa no canal do you tuber Luccas Neto. A reclamação foi sobre a campanha “Arcor Brasil e Luccas Neto – Batalha entre os Aventureiros“. Como resultado do julgamento, o Conar pediu alteração e deu uma advertência à Arcor. A defesa alegou, por sua vez, que a campanha de ovos de Páscoa envolvia um produto licenciado mas que a Arcor não era a controladora da ação. Também a marca considerou que a ação estava bem caracterizada como publicidade.

Procurados pela coluna, a Arcor e Dakota não retornaram à reportagem. Já a Amazon Prime Video respondeu que não iria se pronunciar.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio