Compre iPhone SE na Apple a partir de R$ 3.779,10 à vista ou em até 12 vezes. Frete grátis para todo o Brasil
Saiba mais
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
MUÇULMANA

Você sabia? Karima de O Clone não é brasileira e ganhou personagem por acaso

Ajudante de tio Ali é também braço-direito de Zoraide na novela

Publicado em 28/04/2022
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Em O Clone, Karima é uma das assistentes de Ali (Stênio Garcia) em sua casa no Marrocos. Ela aparece constantemente recebendo ordens sobretudo da governanta Zoraide (Jandira Martini).

O que pouca gente sabe é que a moça se chama mesmo Karima na vida real e é muçulmana, assim como seu papel na novela.

Continua depois da publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Por isso que quando entra em cena na novela fala árabe e os telespectadores ficam confusos. Afinal, por que só esta personagem do núcleo marroquino se expressa com a língua da região?

Karima Elmaataoui em O Clone

Entrou em O Clone por acaso

Para dar veracidade à trama, que se inspira em parte no universo islâmico, a autora Gloria Perez contou com a consultoria de autoridades e pessoas que vivem essa realidade.

A escritora teve ajuda, por exemplo, dos xeques Jihad Hassan Hammadeh, então vice-presidente da World Assembly of Muslim Youth (Wamy), e Abdelbagi Sidahmed Osman, sudanês presidente e Imam (que conduz as orações) da Sociedade Beneficente Muçulmana do Rio de Janeiro. As referências religiosas a auxiliaram em assuntos referentes à cultura muçulmana.

Além deles, para as gravações do núcleo muçulmano no Rio de Janeiro, tanto Gloria quanto a equipe foi assessorada pelos irmãos marroquinos Karima e Ahmed Elmaataoui. Os dois acabaram sendo incorporados ao elenco.

Desse modo, a Karima que podemos ver atualmente na reprise na Globo, junto a seu irmão, ganhou por acaso o papel de ajudante de Ali.

Glória Perez, a autora de O Clone (Reprodução/TV Globo).

Outra preparação de Gloria Perez

O Clone é considerada uma novela com tramas relativamente complexas, pois, além de núcleo muçulmano, Gloria Perez abordou também a dependência em álcool e drogas e a clonagem humana.

Desse modo, a produção precisou entrar de cabeça em todas as temáticas, participando de palestras e conhecendo textos e filmes sobre todos os pontos importantes.

De acordo com a Globo, os atores visitaram clínicas de fertilização e laboratórios de clonagem, participaram de aulas de expressões árabes e prática de orações. Aulas de dança do ventre, dança árabe para os homens e de samba de gafieira também fizeram parte da preparação.

Lembrando que elenco e equipe trabalharam por 40 dias em cinco cidades do Marrocos. No país estrangeiro, muitas sequências foram gravadas nas ruínas da kasbah Ait Ben Hadou, em Ouarzazate; o mercado de camelos de Marrakech; a cisterna portuguesa de El Jadida; e a medina de Fez, cidade do século VIII.

Confira também: Amiga de Samira: quem é o pai de Sumaya em O Clone?

Leia outros textos desta colunista.

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Deixe o seu comentário

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Posting....