Mais do que você gosta.
Assine o Star+
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
REMAKE

“Tem que ser bicho pra estar ali”, diz a nova Juma de Pantanal sobre gravar no bioma

Alanis Guillen detalhou personagem da novela que estreia dia 28 de março na Globo

Publicado em 22/03/2022
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Alanis Guillen pegou o bastão de Cristiana Oliveira para viver Juma Marruá, a menina-onça da novela Pantanal, remake adaptado por Bruno Luperi, neto do autor original, Benedito Ruy Barbosa.

Em coletiva realizada na manhã desta terça-feira (22), a jovem atriz expôs traços da personagem, filha de Maria Marruá (Juliana Paes), que nasceu na beira de um rio no pantanal.

Continua depois da publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Sobre como foi compor Juma, ela declarou que ainda está sendo um processo diário. “Começou desde o teste, quando recebi a Juma e fui investigando o universo Pantaneiro, sobre as onças, aos poucos essa personagem no meu corpo, na minha voz, no meu gesto…”, contou Alanis.

Desafios

Em 1990, quando a primeira versão de Pantanal foi ao ar na Rede Manchete, o crescimento de Juma e o amor que ela descobre por Jove (Marcos Winter na época, e Jesuíta Barbosa agora), causaram grande frisson.

Alanis Guillen, a Juma do remake de Pantanal (Divulgação Globo)

Por conta da grande repercussão, Alanis enfrentou uma enxurrada de comparações, algo normal quando uma novela é refilmada.

“Meu maior desafio é de me manter cada dia mais fiel a ela [Juma], a mim, aos meus sentimentos ao que ela provoca. Não se pode ignorar porque nessa reconstrução as pessoas sempre recordam e comparam”, ressaltou a atriz de 23 anos.

Alanis abriu o o jogo sobre seu grande obstáculo. “Tentar fugir desse comparativo. É um desafio manter essa escuta e essa fidelidade entre meu corpo e a personagem“, pontuou a ex-Malhação.

Para ela, os bastidores de Pantanal puderam ensinar muito sobre o bioma e a troca necessária para gravar no local. “A relação com o pantanal… o pantanal é vivo. Tem que ser bicho pra estar ali, com muito respeito, muita parcimônia, consciente de que não é qualquer momento, qualquer bicho que pode chegar com intimidade. Ali eu me senti bicho, o Pantanal é uma região muito forte”, refletiu.

Relembre grandes momentos da primeira versão de Pantanal, que completou 30 anos em 2020.

Leia outros textos desta colunista.

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Deixe o seu comentário

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Posting....