Mais do que você gosta.
Assine o Star+
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
EM 2008

Salário do CQC: repórter revela quanto ganhava no extinto programa da Band

Rafael Cortez relembra oportunidade de fazer matérias no lugar dos colegas

Publicado em 07/01/2022
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

O CQC – Custe o Que Custar foi um dos programas de maior repercussão da Band, sobretudo nos primeiros anos de exibição, entre 2008 e 2012. A atração, dita como ‘humorística’ pela emissora, transmitia reportagens que tinham certa relevância social.

Dentro do quadro de apresentadores e repórteres tinha Rafael Cortez – que atualmente apresenta o Matéria Prima na TV Cultura. O jornalista e também músico era responsável por matérias carregada de ironias, principalmente em eventos com celebridades.

Continua depois da publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Em entrevista ao podcast Inteligência Ltda., Cortez abriu o jogo sobre sua trajetória e saída do CQC, assim como quanto ganhava em dois momentos de contrato com a Band.

O tanto que eles eram ocupados com o stand-up era muito bom pra mim”, assume Rafael, relembrando os demais repórteres do CQC, como Danilo Gentili, Rafinha Bastos e Oscar Filho, que se apresentavam em shows de comédia ao mesmo tempo em que trabalhavam no programa.

“Eu não era notoriamente o melhor repórter, era um cara muito complicado e estava muito disponível. Como os meninos tinham shows que estavam bombando, e ganharam muita projeção com o CQC, eu era o cara de back-up. Então eu ia… Tinha dia em que o CQC tinha oito matérias no ar e cinco matérias eram minhas”, rememora.

Salário

Essa oportunidade de trabalhar bastante, porém, segundo Rafael Cortez, não lhe trouxe os ganhos financeiros que gostaria. “Eu não tava ganhando dinheiro. Eu tinha meu salariozinho lá… O primeiro salário do CQC, em 2008, foi sete mil reais”, revela o apresentador.

“Sete mil daria o que hoje? Deve ser uns 15 ‘paus’… pra você parar a sua vida, parar e não fazer mais nada”, pontua. “Mas nunca variou muito também. O salário não era o negócio mais fod** do CQC, nem o que você ganhava de publicidade. Era a soma das coisas, você fazer giro…”, pondera Cortez.

Leia outros textos da colunista AQUI.

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Deixe o seu comentário

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Posting....