GOD SAVE THE QUEEN

Rainha Elizabeth surgiu em erro histórico de Senhora do Destino, novela que estreia este mês

Monarca inglesa foi representada nas primeiras cenas da trama de Aguinaldo Silva

Publicado em 08/09/2022

O anúncio da morte da rainha Elizabeth 2ª, aos 96 anos de idade, foi feito na tarde desta quinta-feira (8) pelas redes sociais da monarquia britânica.

Tida como a mais longeva monarca da história da Inglaterra, Elizabeth viveu altos e baixos, assim como fatos bem controversos em seu legado. Porém, ela conseguiu o difícil feito de manter o Estado e a nação unidos e com a economia sempre estável.

Tal qual Lady Di, a Rainha teve sua trajetória pessoal escancarada pela mídia. No Brasil, aliás, onde ela esteve somente uma vez, tornou-se objeto de contextualização na icônica novela Senhora do Destino, escrita por Aguinaldo Silva e exibida originalmente entre 2004 e 2005.

Príncipe Philip e Rainha Elizabeth em 1968, em visita ao Brasil
Príncipe Philip e Rainha Elizabeth em 1968 em visita ao Brasil

Como Elizabeth 2ª apareceu em Senhora do Destino

Exibida no horário nobre da Globo, Senhora do Destino usou como pano de fundo para o drama de Maria do Carmo (Susana Vieira) e as atrocidades de Nazaré (Renata Sorrah), a luta dos estudantes e dos jornalistas contra a censura e a favor da liberdade de imprensa durante a ditadura militar brasileira (1964 e 1985).

A trama histórica foi conduzida sobretudo por Josefa de Magalhães Duarte Pinto, filha de tradicional família carioca e dona do fictício Diário de Notícias. Interpretada por Marília Gabriela, a personagem realmente existiu e era uma das mais odiadas pelos militares. Mas na vida real, chamava-se Niomar Moniz Sodré Bittencourt e liderava o Correio da Manhã, opositor do governo à época.

Voltando à ficção, super prestigiada pela alta sociedade, dona Josefa e seu jornal se mantiveram seguros até o decreto do AI-5.

Marília Gabriela como dona Josefa em Senhora do Destino
Marília Gabriela como dona Josefa em Senhora do Destino

Com isso, ela vivia sendo chamada para solenidades importantes, como a visita da rainha Elizabeth 2ª no Brasil. Na trama de Aguinaldo Silva, a figura falecida neste dia 8 foi representada por Deidre Loys Jordan e na cena em questão comparecia a uma homenagem dos brasileiros a ela, chegando a cumprimentar a personagem de Marília Gabriela.

Na cerimônia, dona Josefa ainda encontra figuras como a baronesa Laura (Maria Amélia) e o barão Pedro Correia de Andrade Couto (Raul Cortez), além do general Bandeira (Rogério Froes), um “amigo” informante da dona do jornal. O evento, vale dizer, foi o último antes de Josefa ser exilada do país.

No que a novela errou?

Um erro – bem perceptível, mas também perdoável – ao retratar diversos eventos históricos deste mesmo ano aconteceu na novela Senhora do Destino.

Originalmente, a visita da Rainha da Inglaterra ao Brasil aconteceu em novembro de de 1968, ponto alto da ditadura militar.

Essa estada da monarca no país rendeu a inauguração do Masp e da ponte Rio-Niterói; entrega da taça de um amistoso para Pelé; e até mesmo a presença dela em shows de Wilson Simonal, Jair Rodrigues e Elza Soares.

Rainha da Inglaterra entrega taça Pelé
Rainha da Inglaterra entrega taça a Pelé

Acontece que Senhora do Destino retratou em um intervalo de uma só semana, a passeata dos Cem Mil, ocorrida em 26 de junho de 1968, a fatídica visita de Elizabeth 2ª, em novembro e o Ato Institucional nº 5, que aconteceu somente em 13 de dezembro do mesmo ano.

A licença-poética permitiu que esses momentos fossem mostrados ao público em poucas cenas para contextualizar a trama de Josefa, levando-a a Maria do Carmo, a protagonista da história de Aguinaldo Silva.

Confira também: Jornalista argentino celebra morte da rainha Elizabeth II: “Champanhe para todos”

Leia outros textos desta colunista.

© 2024 Observatório da TV | Powered by Grupo Observatório
Site parceiro UOL
Publicidade