Ratinho esquece o entretenimento e faz do SBT “quintalzão do Bolsonaro”

Em mais uma entrevista "engana trouxa", apresentador vende o presidente como herói

Publicado em 31/7/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Nosso programa é popular e nem todos os presidentes gostam de dar entrevista para programas populares“, justificou Carlos Massa, o Ratinho, antes de colocar no ar em seu programa mais uma entrevista com o presidente (e seu amigo pessoal) Jair Bolsonaro.

No bate-papo de compadres, no entanto, o apresentador agradeceu pelo almoço com o governante e brincou ao afirmar que teve dificuldade em conseguir uma entrevista com ele: “Seis meses tentando“, proferiu Ratinho. Mas claro, o comentário muito provavelmente foi na maior ironia.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Bolsonaro concedeu duas entrevistas ao apresentador pouco antes de seu programa ser paralisado em decorrência da pandemia. E, cabe dizer também que desde a volta dos programas inéditos, Ratinho tem servido bem à bolha bolsonarista ao puxar a cadeira para membros do gabinete do presidente.

A lista é grande: Marcos Pontes (PSL), Fábio Faria (PSD), Sergio Moro (ex-ministro da Justiça), Abraham Weintraub (ex-ministro da Educação), Damares Alves (PP), Pedro Guimarães (Presidente da Caixa Econômica Federal), Marcelo Crivella (ex-prefeito do Rio de Janeiro), Tarcísio Gomes de Freitas (Ministro da Infraestrutura). Mário Frias, atual secretário da Cultura, pelo andar da carruagem, deve ter entrado na mira também.

O quadro Dois Dedos de Prosa, criado na década de 2000, nunca antes na história de sua existência serviu tanto como palanque para o governo como agora. E bem como na vez anterior, Ratinho desembarcou em Brasília para falar com o presidente.

Para seus seguidores, o apresentador salientou que questionaria Bolsonaro sobre assuntos que o povo quer saber. Na prática mesmo, a história foi outra. Ratinho disse que seria uma “bobagem” falar das suspeitas de irregularidades na compra de 20 milhões de doses da vacina indiana Covaxin. “Nem comprado foi“, opinou o apresentador. Assunto colocado em pauta mas não debatido – o velho engana trouxa.

Ratinho, então, cometeu mais um equívoco: atribuiu à imprensa e a classe artística achismos sobre o atraso na compra da vacina para o Brasil. Disse também que faria uma pergunta que um jornalista “normal” não teria coragem de fazer.

Foi então que o saldo devedor de Cuba, Venezuela e alguns países da África com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) entrou em pauta. A abordagem do tema ocupou quase 4 minutos da entrevista.

Mas o que estava por vir era ainda mais risível. O eterno pupilo de Silvio Santos conseguiu descer o nível e perguntar o motivo pelo qual o “amigão” prefere fazer passeata de moto e não de bicicleta. A resposta foi uma merda, a mesma merda que deu o tom da entrevista dali por diante.

Ratinho provavelmente não leu os jornais no dia da gravação ao comentar sobre um suposto crescimento do Brasil. “Como é que se explica em plena pandemia, todos os países com problema e o Brasil crescer?“, perguntou ele, ao tempo em que o noticiário informava que a taxa média de desemprego no Brasil foi de 14,4% no trimestre móvel de dezembro a fevereiro. O que significa que 14,4 milhões de pessoas estão na fila por um trabalho no país, o maior contingente desde 2012.

Jair Bolsonaro mais parecia contando piadas que respondendo perguntas. Numa dessas, Ratinho quis saber, na opinião do amigo, qual seria a melhor maneira para uma pacificação entre direitistas e esquerdistas. O presidente teve a coragem de dizer que “falta informação”.

O comentário vem um dia após o presidente promover uma live patética, anunciada como o momento em que ele apresentaria provas da insegurança do sistema eleitoral brasileiro. O que se viu, contudo, foi uma série de ilações sem respaldo, que foram desmentidas em tempo real pelo perfil do Tribunal Superior Eleitoral no Twitter.

Supostos “ataques” da imprensa e a imunização de Bolsonaro também foram os assuntos em questão. “Só tem críticas, mais nada. Quando dá uma boa notícia tem ‘vírgula e mas’”, disse o presidente, que neste momento demonstrou irritação e pediu para continuarem gravando tudo que ele falasse.

O que está em jogo é o futuro do Brasil. Ou você acha que se o pessoal da esquerda voltar vai ser um negócio maravilhoso aqui. Vai voltar aquela quadrilha toda que roubava o Brasil. Olha o que o Lula acabou de falar sobre Cuba. Que lá está maravilha. Ele elogiou o povo e o governo cubano.

Não tem que elogiar o time que perdeu. O que está em jogo é isto. É o futuro das eleições. Temos que ter responsabilidade, quando se vota tem que votar com responsabilidade. O que está em jogo é isso, o que está em jogo é a minha vida. Eu arrisquei a minha vida durante as eleições.

A entrevista terminou após quase 35 minutos ininterruptos, deixando a sensação de cansaço e perda de tempo. O Ratinho precisa urgentemente voltar atenção total para o formato do seu programa para que ele faça valer a sua existência na grade do SBT.

Parado no tempo com quadros ultrapassados, o apresentador perdeu uma enorme parcela de audiência nos últimos anos ao desconstruir sua imagem de comunicador que fala diretamente para o povo e pelo povo. Sua ideologia política tem tomado seu lugar na televisão, e o pior, isso não é motivo de preocupação para ele.

Ratinho é um dos mais brilhantes nomes da história da televisão brasileira, construiu sua carreira com programa popularesco e hoje, além da TV, também é um homem negócios e a cabeça por trás de muitos nomes de sucesso por aí.

Dono de um império que gera milhares de empregos diretos e indiretos, infelizmente Ratinho arranhou sua imagem ao se vender para um governo genocida. Depois que tudo isso passar, é rezar para que o público afugentado volte, porque esquecer, ninguém vai.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio