Com fãs agressivos e cruéis, Juliette Freire é um fracasso como influenciadora

Isenta sobre o tema, a ex-BBB permite que fãs cometam crimes nas redes sociais

Publicado em 5/8/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Sem as rédeas da própria carreira, Juliette Freire, a vencedora do BBB 21 que movimenta cerca de 32 milhões de seguidores no Instagram e foi credenciada no Globoplay com um documentário, ao que parece ainda não tem a dimensão de sua responsabilidade como influenciadora e continua ignorando os crimes cibernéticos de seu expressivo fã-clube, os chamados “cactos”.

Com caminho ainda a ser definido no mundo artístico, a advogada e maquiadora (e agora amiga de Anitta), um verdadeiro fenômeno da publicidade, no entanto, faz que não vê os ataques repugnantes dos seguidores, principalmente contra Gil do Vigor, Camilla de Lucas, Sarah Andrade e Karol Conká, seus ex-colegas de confinamento.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Como não bastasse, toda a imprensa acaba também perseguida por essa parcela significativa de perfis sem qualquer identificação, muitas das vezes mediados pelo ódio gratuito e fanatismo desenfreado pela ex-sister. Tais fãs transitam pelos mais diversos tipo de crimes como homofobia, injúrias raciais, calúnia, difamação e intolerância em vários aspectos.

Além de constituir em crime na maioria das vezes, essa prática têm um potencial de alcance infinitamente maior do que ofensas praticadas “fisicamente”, dado o poder de disseminação dos conteúdos nas redes sociais. O termo usado para isso é Cyberbullying e pode acarretar processos tanto no campo cível, com dano moral, quanto na área criminal.

Juliette tem preferido tirar o corpo fora da situação e fingir que nada está acontecendo, pois assim parece mais fácil constituir-se para marcas importantes. Quanto menos polêmica, mais rendimento. A própria ainda não sabe como lidar com a agressividade e descompensação desses fãs. Falta pulso, empatia e boa vontade para tal. O que não parece ser do seu interesse neste momento.

Mas é aí que a gente se pergunta: seria muito custoso para Juliette Frente um “arraste pra cima” indicando uma matéria completa sobre Cyberbullying? É falta de informação ou desinteresse com o tema? Muito mais que indicar marcas, um influenciador digital é aquele capaz de influenciar comportamentos também, além de servir como fonte de informação, alcance que Juliette ainda não teve, mas deveria dar mais atenção.

* As informações e opiniões expressas nessa crítica são de total responsabilidade do seu autor e podem ou não refletir a opinião deste veículo.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio