Ana Cecília Costa relembra era de ouro das adaptações mexicanas do SBT: “O bastidor era incrível”

Atriz ficou marcada por atuações em Pequena Travessa e Canavial de Paixões

Publicado em 27/12/2021 10:48
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Projetada nacionalmente em obras da TV Manchete na década de 90, a atriz Ana Cecília Costa ficou marcada na era de ouro da dramaturgia com personagens que entraram para a história. De Tocaia Grande (1996) a Órfãos da Terra (2019), sua última novela até então, foram mais de vinte atrações, entre novelas, séries, minisséries e participações especiais. Entretanto, a fase nas adaptações mexicanas no SBT está entre as mais relembradas pelo público.

Foram apenas três novelas na emissora de Silvio Santos: O Direito de Nascer (2001), Pequena Travessa (2002) e Canavial de Paixões (2003). Esta última, o suficiente para Ana Cecília Costa ainda ser atribuída como a Mirela, a co-protagonista da história que bateu recordes de audiência.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em entrevista ao jornalista Pedro Leão, por live no Instagram, a atriz conta que a dramaturgia do SBT, sediada em São Paulo, foi uma fase incrível para o atores de teatro. “Sou muito grata a dois autores: Ecila Pedroso e Marcos Lazarini. Foi uma parceria. Nós fizemos vários trabalhos juntos, eles tinham muita confiança em mim e sempre escreviam personagens para mim. Em Canavial de Paixões, Pequena Travessa, depois eles foram para a Record.

Eu acho uma pena São Paulo não ter um núcleo de teledramaturgia fixo e constante e que empregue as pessoas de São Paulo. A Record migrou de São Paulo para o Rio de Janeiro. O que acontece era incrível os bastidores daquilo porque você tinha excelentes atores de teatro trabalhando na televisão.

Eu tive uma parceria inesquecível de cena com a Wanda Stefânia [a Remédios], que pra mim é uma das grandes atrizes e que virou uma grande amiga. Eu tinha com a Wanda em cena e novela é uma coisa muito importante sobre vários aspectos, mas uma deles é que te torna uma pessoas muito ágil.

E isso não quer dizer que você é uma pessoa superficial. Isso quer dizer que você tem que ter muita agilidade para resolver as cenas, para decorar. Não tem grandes preparações. E com isso é fundamental a contracena, com quem você está em cena, a tua escuta com outro, sua jogada com o outro“, sintetizou a artista.

SIGA ESTE COLUNISTA NAS REDES SOCIAIS: INSTAGRAM E TWITTER

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Deixe o seu comentário

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio