Reta final

Veja como será o retorno surpreendente de Trindade em Pantanal: “Nossa!”

Trama de Bruno Luperi ficará no ar até o próximo dia 07 de outubro

Publicado em 23/09/2022

Pantanal tem feito um grande sucesso na programação do plim-plim. E para não perder o costume, a coluna revela tudo o que vai acontecer nos próximos capítulos da trama de Bruno Luperi.

Em cenas que estão previstas para irem ao ar nessa sexta-feira, dia 23 de setembro em Pantanal, Irma (Camila Morgado) clamará pelo retorno de Trindade (Gabriel Sater) que ocorrerá de fato no decorrer do capítulo. “A noite vem caindo sobre as águas e Eugênio está na chalana, sozinho, puxando uma linhada num clima moroso de fim de dia, quando começa a murmurar uma melodia que lhe ocorre de súbito em um gesto autômato e involuntário, desses que nem nos damos conta que estamos fazendo. Quando ele para uma viola responde o chamado, como se propusesse um duelo. Quando ela cessa… Eugênio fala enquanto segue com a sua linhada e responde ao desafio cantarolando e a medida em que entoa a sua melodia, a câmera navega pela chalana até cravar na viola de Eugênio que estava dependurada na chalana, sozinha. O chalaneiro termina a sua parte. É a vez do desafiante tocar. Mas não tem ninguém ali. Quando parece que foi tudo coisa da cabeça de Eugênio, a sua viola começa a tocar sozinha. Eugênio termina de puxar a linhada e chega ali por perto”, descreve Bruno Luperi em seu texto.

Assombração? 

“O amigo seje muito bem vindo… Esse povo todo já num tava mais acreditando que você fosse voltar… Mas a tua princesa ainda tá lá te esperando..(Ele se cala quando se dá conta que estava sozinho. Eu hein?!)”, finalizará Eugênio (Almir Sater) presenciando o retorno do forasteiro que fará o parto do Bebê Cramulhão. Mais detalhes aqui.

Trindade (Gabriel Sater) em Pantanal
Trindade (Gabriel Sater) em Pantanal

Pantanal é escrita por Bruno Luperi, baseada na novela original escrita por Benedito Ruy Barbosa. A direção artística é de Rogério Gomes, direção de Walter Carvalho, Davi Alves, Beta Richard e Noa Bressane. A produção é de Luciana Monteiro e Andrea Kelly, e a direção de gênero é de José Luiz Villamarim.

Leia outras matérias desse colunista CLICANDO AQUI.