“Leora é uma mulher doce”, revela Letícia Tomazella sobre a sua personagem em Gênesis

Atriz integra o elenco da fase atual da novela bíblica da Record TV

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Letícia Tomazella que nos próximos dias entra na fase atual de Gênesis, conversou com exclusividade com a coluna onde fez um balanço de sua carreira e revelou detalhes de sua personagem na trama da Record TV .

Tenho muito ainda o que percorrer. Me sinto tendo realizado menos do que gostaria. Embora reconheça o tanto que já conquistei, sempre foco naquilo que ainda almejo conquistar. Sou assim, sempre visualizo algo lá na frente. Quero ter força, energia e sorte (sempre é bom!) pra vivenciar ainda muitas experiências na carreira”, relata a intérprete que dará vida a Leora na segunda fase da personagem. “Leora é uma mulher doce, perseverante e ousada. Amorosa com todos, ela luta pelo que acredita”, completa Letícia. A seguir, confira o papo com essa atriz vocacionada:

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

ANDRÉ ROMANO: Quem é a Letícia Tomazella? 

LETÍCIA TOMAZELLATô tentando descobrir (risos). Por enquanto, o que sei, é que é uma mulher determinada, persistente, um tanto teimosa e instável, mas de bom coração. 

AR: Qual foi a maior lição que você tirou durante esse período pandêmico?

LT: Não sei se tirei uma só. São tantas coisas. Acho que o que tem ficado é a força do coletivo. Que a vida individual não move, não  transforma. Só o coletivo é que nos salva. Fazermos uns pelos outros. Somos uma grande rede. Ou deveríamos ser.

AR: Você sentiu algum receio em relação a esse período em que você ficou em quarentena?

LT: Sim. Acho que todo mundo, né?! Tanta gente doente, tanta gente morrendo. E tanta gente desempregada, enfim. Dá medo disso tudo. É um privilégio ter onde morar, ter o que comer, poder trabalhar e ter afeto na família. 

AR: Qual é a sua maior inspiração no meio artístico?

LT: Sempre admirei demais artistas veteranas e mestras, como Fernanda Montenegro é Irene Ravache. E minhas queridas: Clarice Niskier e Clarisse Abujamra. Admiro demais essas mulheres.

AR: E, na vida? 

LT: Meus pais são grandes inspirações pra mim. Tenho também esse privilégio de ter pais presentes, conscientes, abertos ao diálogo, gente que sempre quer se melhorar como ser humano.

AR: Como está sendo os preparativos para o seu retorno as novelas?

LT: Já estamos gravando a todo vapor na Record TV. Tô muito feliz de poder trabalhar e fazer o que mais amo. E estou amando minha personagem em Gênesis.

AR: O que você pode adiantar da personagem? 

LT: Leora é uma mulher doce, perseverante e ousada. Amorosa com todos, ela luta pelo que acredita.

AR: Você é bastante conhecida por sua participação em Poliana. Como é o carinho do público?

LT: É um público muito sincero e afetuoso. O público infantojuvenil é realmente um tesouro. Se eles gostam, eles gostam mesmo e não economizam em afeto e dedicação. 

AR: Qual o balanço que você faz de sua carreira até aqui?

LT: Tenho muito ainda o que percorrer. Me sinto tendo realizado menos do que gostaria. Embora reconheça o tanto que já conquistei, sempre foco naquilo que ainda almejo conquistar. Sou assim, sempre visualizo algo lá na frente. Quero ter força, energia e sorte (sempre é bom!) pra vivenciar ainda muitas experiências na carreira. 

AR: Qual é o seu maior sonho? 

LT: Profissionalmente, fazer papéis densos e paradoxais. Destes que não poderíamos definir como apenas vilã ou mocinha. E quero poder também estrear alguns trabalhos autorais no teatro. Já fiz alguns, mas ainda tenho muito o que fazer.

AR: O que tira você do sério?

LT: Injustiça e casa bagunçada (risos).

AR: Se você pudesse deixar uma mensagem para a posteridade … Qual a mensagem você deixaria ?

LT: Primeiro coloque o pé. Depois, Deus põe o chão. Vá, faça, acredite! Ninguém muda o mundo sentado na poltrona. 

AR: Qual é o mundo que você sonha para a humanidade?

LT: Distribuição de renda e formação escolar e intelectual forte. Teríamos uma sociedade verdadeiramente mais justa. O caminho pra isso? A gente que é privilegiado estudar e se observar, se engajar, pra reconhecermos nossos privilégios e podermos agir em prol de termos mais igualdade na nossa sociedade.

AR: Quais são os seus projetos pós-novela e pós-pandemia?

LT: Ainda luto pra estrear o espetáculo que eu e Letícia Cannavale, sob direção de Marat Descartes e Gisele Calazans, estávamos ensaiando antes da pandemia. Queremos por essa obra pra circular! E também espero finalmente publicar meu livro sobre madrastas, que está quase pronto.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio