Jornalista Léo Martinez fala dos seus 13 anos no entretenimento e dos desafios de empreender na web

Publicado há 4 anos
Por Rodrigo Teixeira
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Hoje o #PapodoGordinho é com um amigo querido o jornalista Leonardo Martinez ou só Léo Martinez, de 35 anos. Um cara que tem #nome e #sobrenome no jornalismo de entretenimento brasileiro e no cenário carioca desse “sub-mundo das celebridas”. #Risos. Para uns, Léo, pode ter um temperamento forte, talvez seja por causa do seu signo áries né, mores? O que posso dizer é que ele gosta das coisas certas desde que sejam do jeito dele né, mores? #Personalidade #Heheheh #TeamLéo

Léo vai dar dicas para quem quer montar o seu canal na web e fazer vídeos no Youtube. #Anotem #Youtuber

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Léo Martinez na cobertura do Carnaval (Reprodução)

Léo já escreveu para diversos lugares. Já passou pela Rede TV e pela Rede Globo e uma de suas qualidades na cobertura é o “olho de lince”. #IssoMesmo apelido que recebeu por causa das suas notas exclusivas e flagras em lugares inusitados. #Poderoso #Aceita #BeijoNoOmbro

Sem mais delongas, a seguir o #PapodoGordinho com Léo Martinez. Uma cara que não bate boca, um cara que bate tambor. Confira!

#QueIssoGordinho: Léo Martinez o que te motivou a seguir a carreira de jornalista?
Léo Martinez: Desde pequeno eu sempre achei que era jornalista. Foi um dom que eu acredito já ter vindo comigo. No colégio era eu quem escrevia os textos de final de ano, fazia poesias, tinha um bom relacionamento com todo mundo e sempre fui muito curioso.

#QueIssoGordinho: Como você caiu nessa cobertura de celebridades?
Léo Martinez: O mundo das celebridades surgiu por acaso. Eu comecei fazendo investigativo, polícia hard news mesmo, mas já era algo muito arriscado naquela época. Durante toda a minha faculdade, fiz especialização em jornalismo investigativo e era isso que eu queria para a vida. Foi quando em 2002 resolvi deixar as aventuras de lado e lancei um portal chamado AiqChic. O site tinha de tudo um pouco, mas o foco era o comportamento. Numa dessas, fui entrevistar a Narcisa Tamborindeguy, que acabou se tornando madrinha do projeto. Desde então a coisa fluiu. Em 2004 o TV Fama estava vindo com força total para o Rio de Janeiro, com uma equipe e novas possibilidades. Embarquei com eles nessa, começando como produtor.

#QueIssoGordinho: Você é um grande observador desses bastidores. Já viu de tudo pela fama? O que mais te chamou a atenção?
Léo Martinez: Olha Rodrigo, tive uma chefe na Globo que me apelidou de “olhos de lince”. Isso foi uma baita responsabilidade sobre uma qualidade que eu sempre tive que é a de observar demais as coisas, as pessoas e as situações. Sou do tipo que faz raio-x sem me dar conta disso. Dentro desse meu adorável submundo midiático eu já vi sim muitas pessoas em situações loucas para conseguir um clique ou uma nota. O que mais me assustou durante um certo período, foi a quantidade de subcelebridades que começaram a sair para os eventos sem calcinha. Até aí, tudo bem, um flagra é sempre um flagra. Mas daí sentar e abrir as pernas em 180º como se nada estivesse acontecendo, já é demais. Foi uma epidemia isso, mas graças a Deus a modinha passou.

#QueIssoGordinho: Algumas celebridades entraram para o seu hall de amigos? Pode revelar quem?
Léo Martinez: Eu costumo dizer que tenho amigos famosos, mas os famosos não são meus amigos. Não que eu não goste deles. Como qualquer pessoa eu tenho meus ídolos, mas antes de tudo eles são o meu material de trabalho e não posso me permitir confundir as situações. Estou completando 13 anos de trabalho com os famosos e celebridades e isso tem um peso. Meus amigos famosos são seletos, mas posso incluir a Anitta, a Valesca, a Antonia Fontenelle, a Preta, a Renata Frisson (Melão) e por aí vai. Fui criado dentro da televisão, frequentando bastidores de novelas, filmes, shows e para mim o ator, o cantor, o músico, são profissões como outra qualquer.

#QueIssoGordinho: Você já trabalhou na Rede TV e no site Ego. Fale dessa sua experiência multimídia.
Léo Martinez: A minha experiência na Rede TV! me permitiu um amadurecimento de equipe que eu trago até hoje. O começo foi bem complicado, era o boom das celebridades e tudo se tornava notícia. Comecei como produtor do TV Fama e depois me tornei repórter. Era desafiador fechar quatro ou cinco VTs por noite, mas sempre rendia. Ainda na Rede TV! trabalhei nos Bastidores do Carnaval, com Monique Evans, Leo Áquilla, a turma do Pânico…era um outro tempo. Depois fui chamado para fazer parte do Babado, um site de celebridades hospedado no iG. Fui editor e repórter de lá até o encerramento das atividades. Nesse período, o Babado acabou e se tornou iG Gente, com a proposta de ser um site menos over sobre os artistas. Foi então que em 2008, a Globo me convidou para fazer parte do EGO, que estava recém lançado. Tenho um baita orgulho em dizer que fui pioneiro nas transmissões on line em tempo real para a web. Me deram todas as ferramentas e disseram: “Vai lá e publica todo o conteúdo direto da pauta.” Achei estranho no começo e pensava ninguém iria consumir meu conteúdo, mas o retorno foi imediato. E nisso se passaram 8 anos de muito trabalho, muita ralação e muita gratidão pelas pessoas que conseguiram me acompanhar nesse período.

#QueIssoGordinho: Atualmente você criou um canal no Youtube. Fale o que você vai aprontar e como a ideia surgiu.
Léo Martinez: O Conteúdo Liberado já existia no Youtube desde 2002. Tudo o que eu produzia na faculdade, nas matérias que eu fazia nessas idas e vindas, eu colocava lá. Cheguei a ter uma produtora de conteúdo midiático com esse nome. Depois de um tempo a conta foi hackeada e eu nunca mais recuperei a senha. Em junho do ano passado, estava de férias em Pernambuco e de repente me veio na cabeça a ideia de reativar o canal. Levantei grande parte do meu material em vídeo publicado, repesquei outros arquivos perdidos no meu escritório e o Conteúdo Liberado se tornou Conteúdo Liberado Play. É um novo momento na minha carreira, uma nova plataforma como novos programas e o conteúdo produzido todo em HD. A ideia principal do canal é a interatividade, o sentido real da conexão que atualmente a web nos proporciona.

#QueIssoGordinho: O Carnaval na Sapucaí ajuda a dar visibilidade ao seu trabalhos?
Léo Martinez: Olha Rodrigo, 40% do meu conteúdo nesses anos de carreira bombaram durante o carnaval. Quando entrei para a Globo, a ideia dos editores era de me manter fixo em um camarote. Por anos liderei a audiência com notas bombásticas e reais. Tão reais que os envolvidos sequer questionavam o que ia ao ar. Era uma parceria de foto, vídeo e texto. Só sei trabalhar assim, cercado por mídias. Depois resolveram me colocar na concentração. Foi uma experiência ímpar e lá eu fiquei. Fiz amizades, parcerias e claro, furei muitos colegas sempre me permitindo olhar para o lado diferente das coisas. Não posso afirmar que o carnaval me deu visibilidade, mas posso garantir que a partir dele muitas portas se abriram.

#QueIssoGordinho: Qual o desafio de empreender na web? Algumas dicas para quem deseja abrir iniciar um canal?
Léo Martinez: Juntando todos os anos de profissão, mais da metade são dedicados ao trabalho na internet. Sou de uma geração de bilhetinhos de papel que precisou se adaptar ao SMS na marra. No meu caso também houve resistência principalmente na questão das redes sociais. Hoje em dia nos damos muito bem, obrigado. Então a web não é um bicho de sete cabeças para mim, sou fruto dela. O segredo é sempre buscar o aprimoramento das tecnologias e nunca se esquecer de que entre a máquina e o humano precisa haver parceria. Fiz alguns cursos oferecidos pelo Youtube na metade do ano passado e fui aprovado com bom rendimento em todos. Para quem quer abrir um canal, a principal dica é o foco. Você pode abrir um canal para falar sobre a vida das formigas, mas produza com carinho, com tesão e domine o assunto. Fale como ninguém nunca falou antes sobre as formigas e crie a sua identidade. É um erro absurdo as pessoas se jogarem no YouTube pensando em fama, dinheiro e reconhecimento. Tudo tem o seu outro lado e uma hora o jogo vira.

#QueIssoGordinho: Você também trabalha com o jornalista Leo Dias. Ele anunciou seu nome na equipe. Um novo desafio?
Léo Martinez: Pois é, o convite para trabalhar com o Leo Dias no jornal O Dia surgiu dele mesmo. Fiquei muito honrado com a oportunidade e o meu desafio agora é redobrado já que ele tem uma coluna diária e um blog para alimentar. É como entrar para uma família, um casamento. Estou na equipe com a função de somar e aplicar tudo o que eu aprendi até hoje e sei fazer de melhor que é falar sobre o submundo midiático.

#QueIssoGordinho: Deixe um frase que descreva seu momento atual de vida.
Léo Martinez: Eu curto frases prontas, acho que tem um certo charme, mas nesse momento o que melhor me define é o que eu sinto por dentro. Nos últimos tempos passei por desafios e complicações de saúde que me fizeram acreditar ainda mais na verdade das coisas da vida. Foram meses decisivos e de muita reflexão para chegar até aqui e reafirmar que “Pode passar o tempo que for, pode acontecer seja lá o que for, mas o que é de verdade sempre fica e o bem sempre vence no final.”

*As informações e opiniões expressas nessa coluna são de total responsabilidade de seu autor.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais