O Tempo Não Para: Dom Sabino fica comovido com a morte de Emílio: “Não desejaria sofrimento como este ao meu pior inimigo”

Dom Sabino (Edson Celulari)
Publicidade

Nos próximos capítulos de O Tempo Não Para, Dom Sabino (Edson Celulari) ficará comovido com a morte do bacharel Emílio (João Baldasserini). “Decerto que eu tinha pouco apreço pelo bacharel, mas ainda assim não desejaria sofrimento como este ao meu pior inimigo”, relatará o magnata do século retrasado.

Leia: O Tempo Não Para: Marocas ficará em pânico ao descobrir que Emílio morreu: “Era eu quem poderia estar à morte agora”

“Imagina… Mordido por uma cobra…Surreal”, acrescentará Carmen (Christiane Torloni), com dó do malandro. Dom Sabino ficará preocupado com os funcionários da Samvita, pois a cobra está à solta pela empresa.

Continua depois da publicidade

Saiba mais: O Tempo Não Para: Samuca pede Marocas em casamento e ela diz sim: “Eu também o amo infinitamente, Samuel”

“Apesar de diminuta, uma coral verdadeira tem peçonha suficiente para matar sete homens…Ela (a cobra) ainda deve estar à solta na área da Samvita”, concluirá o homem do século 19.

Todos contra a cobra

Samuca se prontificará a ajudar a caça a cobra. Mas Dom Sabino não o deixará ir com ele, já que ele é o prometido de sua filha e nada de mal pode acontecer com ele. “Vamos resolver isso de pronto. Samuca…Vamos pedir que liguem o sistema de ar condicionado na temperatura mais baixa possível…Porque as cobras têm sangue frio… A víbora deve procurar um lugar quente para se esconder. Samuel, você tem coragem, mas é um citadino. Um pisão em falso e você vai fazer companhia para o bacharel.Não quero que meu futuro genro arrisque a vida!… Vamos, Menelau! Cecílio”, dirá o sábio Sabino.

Samuca ficará feliz com a consideração de seu futuro sogro. “Alguém mais aqui ouviu?… Dom Sabino sugeriu que eu e a Marocas…Caramba!”, concluirá Samuel, feliz da vida. A cobra estará na cozinha, e Dom Sabino conseguirá resgatar a peçonhenta.

O Tempo Não Para é uma novela escrita por Mario Teixeira, com colaboração de Bíbi Da Pieve, Marcos Lazarini e Tarcísio Lara Puiati, com direção artística de Leonardo Nogueira e direção geral de Marcelo Travesso e Adriano Melo.

Publicidade
© 2021 Observatório da TV | Powered by Grupo Observatório
Site parceiro UOL
Publicidade